terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Eremita

Eremita - Oswald Wirth Tarot

Hoje, mais talvez do que em qualquer outra época anterior da história, estamos palmilhando um chão totalmente novo. Em nosso mundo não há caminhos fixos — não há iluminação central utilizável por todos. Cada um de nós tem de encontrar um jeito de acender a própria centelha. Como o demonstra a história, não podemos depender de figuras de autoridade "lá em cima" para fornecer-nos respostas iluminadoras às perguntas da vida. Recentemente, nós, o povo do mundo civilizado, temo-nos quedado sentados, sem saber o que fazer, diante das telas da televisão, vendo, amedrontados, sagas da vida real de corrupção e derrota, depressão e revolução, que ultrapassam todos os limites sociais, políticos e nacionais, invadindo nossas complacentes salas de estar para tocar-nos a consciência e despertar-nos o espírito. Durante esse tempo, o Eremita pode ter estado nos bastidores, esperando a sua deixa para dar um passo à frente. Talvez a escuridão esteja começando a dissipar-se de modo que a mensagem silenciosa do Eremita pode brilhar, mais clara, para todos nós: "Cada um de nós tem de descobrir a própria luz interior. No momento em que entregarmos nossa introvisão e responsabilidade a algum imaginado Grande Irmão - seja líder político, praticante de algum culto, psicólogo ou guru - teremos perdido a nós mesmos, a nossa identidade cultural e a nossa própria humanidade."

 Jung e o Tarô, uma jornada arquetípica - SALLIE NICHOLS

Nenhum comentário: