domingo, 14 de dezembro de 2014

O Eremita

Eremita - Antigo Tarot de Marselha

O  conhecimento é adquirido com o tempo

O Eremita evita a precipitação do Carro quanto a imobilidade da Justiça. Inspira-se no passado para preparar o futuro, avançando lento, mas sem cessar. Modesto, não brilha com a ostentação e não alardeia sua sabedoria. Isolando-se das pertubações corriqueiras, ocorrerá o desenvolvimento de uma incrível força, no momento certo. Tudo o que tem que tomar corpo se elabora em segredo. Artesão ignorante do devir, não tem a menor preocupação com efeitos imediatos.
Em seus aspectos desequilibrados torna-se taciturno, pesado, meticuloso, triste, cético ou avaro
Ele não traz a moral como o Sumo Sacerdote e nem os sermões. O Eremita mostra a possibilidade da iluminação individual, como potencial universal,ao alcance de todos. Só assim sem platéia ou acompanhantes externos, é que os personagens do nosso palco interior podem surgir. Afinal solteiro ou solitário também se traduz por unificado no grego original, o que se observa nos Evangelhos Gnósticos:

Eu ( Jesus) digo isto: Quando uma pessoa se encontra solitária, estará cheia de luz, mas quando se encontra dividida, estará cheia e trevas.
O homem que usurpou o novo conhecimento sofre uma transformação ou alargamento de consciência que já não se parece com a de seus semelhantes. Elevar-se por certo, acima do nível do seu tempo ( ... serás como Deus...,) mas ao fazê-lo também se alienou da humanidade. A dor da solidão é a vingança dos deuses. Jung

Mas o Eremita amadureceu, como o vinho. Já não sofre.

Priscila S. Kuperman


Voltei a ler o ótimo livro de Priscila S. Kuperman : Tarot, uma linguagem feiticeira  Recomendo a sua leitura.