quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Abaixo-assinado #LeiLobo: Basta de impunidade

Abaixo-assinado #LeiLobo: Basta de impunidade

sábado, 12 de novembro de 2011

A Sacerdotisa



" Ouve-me, ouve o meu silêncio. O que falo nunca é o que falo e sim outra coisa. Capta essa outra coisa de que na verdade falo porque eu mesma não posso".

Clarice Lispector


terça-feira, 25 de outubro de 2011

O Hierofante, O Papa

O Hierofante - Rider - Waite Tarot

Símbolos: pilares gêmeos, bastão, trono, mão erguida em bênção, dois acólitos.

História: tendo criado uma base sólida para construir seu futuro, o Louco é abatido por um medo súbito. E se tudo pelo que ele trabalhou for levado embora? Se for roubado, perdido, destruído ou então desaparecer? E se não for bom o suficiente? Em pânico, ele entra em um lugar sagrado onde ele encontra o Papa, um sábio professor e um homem santo. Acólitos ajoelham-se ante o homem, prontos para ouvir e transmitir seus ensinamentos. O Louco conta seus medos ao Papa, e pergunta como se livrar deles.

“Existem apenas duas maneiras,”, diz o Papa sabiamente, “ou desista daquilo que você teme perder, para que isso não tenha mais poder sobre você, ou considere o que você ainda terá quando o medo passar. No final,”, continua o Papa, “se você perder tudo o que você construiu, você ainda teria a experiência e o conhecimento que você ganhou até esse ponto, não teria?”.

O aviso surpreendentemente pragmático liberta o Louco de seu medo, e ele está apto a sair do santuário e enfrentar os desafios do mundo novamente.

Significado: Touro pode parecer um símbolo estranho para um homem santo, mas faz sentido se você entender que o propósito do Papa é trazer o espiritual para aTerra. Enquanto a Papisa, entre seus dois pilares, lida com reinos além dessa Terra, o Papa lida com os problemas mundanos. Ele está bem vestido para esse propósito, pois, como todos os taurinos, ele aspira criar harmonia e paz em meio à crise. O único problema do Papa é que, como o taurino, pode ser teimoso e inflexível. Em seu melhor, pode ser sábio e apaziguador, e em seu pior pode ser um teimoso cabeçadura.

Observações: a carta do Papa possui tantos enfeites papais que às vezes fica difícil aos tarólogos gostar dela, ou interpretá-la como algo positivo ao invés de ver seu potencial para ser irracional, literal e chato. Eu gosto de mostrar baralhos onde o Papa é o Oráculo em Delphi, ou então alguma outra imagem menos carregada.

Quando o Papa aparece como uma pessoa, ele é provavelmente um velho, professor, terapeuta, conselheiro, orientador, padrinho. O jovem Sacerdote com idéias modernas ou o velho Rabino que foi sempre tão prático e divertido, ou então aquele tio que sempre ofereceu conselhos de muito bom senso. Infelizmente pode representar aquele professor chato com quem o consulente tem que lidar, aquele que se recusa a desviar do que o livro diz, ou o velho de cara azeda que quer manter a igreja antiquada e na idade das trevas.

Referindo-se ao consulente, o Papa pode alertar contra ser tão teimoso, especialmente em assuntos religiosos ou de princípios. Posso lembrar ao consulente o que significa ser um bom e amado professor. Quando as coisas vão muito mal no mundo, o Papa é aquele que aparece, acalma o pânico e oferece conselhos bons e práticos. Ele simboliza a conexão com o divino, e responde com uma voz muito humana, nunca indireto ou misterioso. Você sabe como resolver seu problema, é o que diz a carta; não é fácil, não é rápido, mas é possível. A solução está lá, você só precisa trazê-la para a Terra.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O Imperador

Rider - Waite  Tarot


O Imperador

Símbolos: trono, cabeças de carneiro, globo e cetro. Ás vezes uma águia.


História: o Louco recebeu opções do Mago e decidiu com a ajuda da Papisa. Aprendeu a desenvolver seu caminho com a ajuda da Imperatriz. Agora ele deve
trabalhar para conseguir seu objetivo. Como conseguir? Ele aproxima-se de um grande Imperador sentado em um trono de pedra. O Louco espanta-se com a maneira como o Imperador guia seu império, avidamente obedecido em cada pequeno detalhe.
Respeitosamente, ele pergunta ao Imperador como ele consegue fazer isso. E o Imperador responde:

“Vontade inabalável e uma base sólida. Não há problema”, ele explica ao Louco, “em ser sonhador, criativo, instintivo e paciente; mas para controlar deve haver alguém alerta, bravo e agressivo”.
Agora pronto para guiar ao invés de ser guiado, o Louco segue com novo propósito e direção.

Significado: como Áries, o carneiro, o Imperador naturalmente segue a Imperatriz
grávida. Áries é a criança, o primeiro signo do zodíaco. Como uma criança, é cheio de entusiasmo, energia, vontade. Ele é direto, sincero e geralmente irresistível.
Infelizmente ele pode também ser um tirano. Impaciente, exigente, controlador. Na melhor das circunstâncias, ele é o líder que todos querem seguir, sentado em um trono que indica a base sólida do império que ele criou, que ele ama e governa com inteligência e entusiasmo. Mas o trono pode também ser uma armadilha, uma responsabilidade que faz com que o Imperador sinta-se impaciente, entediado e descontente.

Observações: a carta do Imperador é a carta que diz quem é que manda. É uma
questão importante. O significado da carta inclui estar no controle de seu ambiente, seu corpo, seu temperamento, seus instintos, sua vida amorosa. Não é hora de submeter-se ao subconsciente, não é hora de deixar-se ser controlado pelas vontades e necessidades dos outros. É a carta que permite ao consulente ser agressivo, bravo, destemido e tomar o controle. O Imperador poder ser o pai ou uma figura paterna, líder ou empregador, tanto um rei carismático como um tirano exigente. Se a carta refere-se ao consulente, ele deve pensar se seu império não se tornou um fardo indesejado, e se ele não se tornou um mau líder, exigente, irracional, infeliz. Talvez seja hora de abdicar do trono.


Bibliografia : Tradução do http://www.aeclectic.net/tarot/ -
Imagem: http://www.albideuter.de/html/waite_4.html

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A Imperatriz

A Imperatriz - Tarot Rider - Waite

A Imperatriz

Símbolos: um vestido decorado com romãs, uma coroa de estrelas, um bastão, um escudo em forma decoração com o símbolo de Vênus, um campo de trigo.

História: tendo decidido qual aspecto seu futuro irá tomar, o Louco segue em frente. Contudo ele está impaciente para fazer de seu futuro uma realidade.Então ele encontra a Imperatriz. Cabelo dourado como o trigo, uma coroa de estrelas, um vestido branco pontilhado com romãs. Ela descansa em seu trono cercada por grãos abundantes e um jardim exuberante. Possivelmente ela está grávida*. Ajoelhando-se, o Louco conta a ela sua história. Ela retribui com um sorriso maternal e gentilmente lhe dá o seguinte aviso: “Uma nova vida, um novo amor, uma nova criação, é frágil como um grão recém - plantado ou uma criança ainda no útero. Requer um solo fértil, paciência e cultivo, necessita de amor e atenção. Apenas essas coisas farão com que se realize”.

Finalmente entendendo que seu futuro levará tempo para ser criado e construído, o Louco agradece à Imperatriz e segue seu caminho.

*Grávida: no Tarot de Rider-Waite ela não aparece grávida, mas em baralhos mais antigos sim. É um símbolo apropriado para esta carta.

Significado: a Imperatriz é uma criadora, seja de vida, romance, arte ou negócios. Enquanto o Mago é a centelha primária, a concretização da idéia, e a Papisa é aquela que dá forma à idéia, a Imperatriz é o útero onde a idéia gesta e cresce até estar pronta para nascer. Por isso seu símbolo é Vênus, deusa das coisas belas e do amor.

No entanto, a Imperatriz está mais para Demeter, deusa da abundância, do que para a sensual Vênus. É ela quem fornece as dádivas terrestres, mas ao mesmo tempo pode reter essas dádivas furiosamente, como Demeter fez quando sua filha, Perséfone, foi raptada. Em fúria e tristeza, ela manteve a Terra árida até sua criança voltar para ela.

Observações: a carta da Imperatriz é um dos arcanos mais fáceis de se interpretar.

Ela é a mãe. Geralmente é a mãe no bom sentido, paciente, amorosa, doadora,generosa. Se for definida como o consulente, pode-se dizer que a pessoa está se sentindo como se fosse uma mãe no momento, preocupada com suas crianças; novos negócios, novas criações, novos romances. Homem ou mulher, preocupa-se e quer resolver cada pequeno problema. Se for uma pessoa relacionada ao consulente, bem, provavelmente é sua mãe, ou alguém que age como tal.

É claro, a Imperatriz pode ter os piores aspectos da mãe protetora: não sabe respeitar a liberdade, é sufocante, possessiva e tem ciúmes daqueles que querem levar seu “bebê” embora. É importante lembrar ao consulente que uma planta pode morrer por excesso de água tão facilmente quanto por falta dela.

A carta diz ao consulente que se ele quer que seu novo romance, nova carreira, novo negócio ou nova criação se desenvolva totalmente, ele tem que ser atencioso, mas tem que deixar que dê os primeiros passos sozinho, quando chegar a hora. Acima de tudo, como qualquer mãe grávida ou bom jardineiro, tem que ser paciente. Todas as coisas necessitam de tempo para gestar e florescer.


Bibliografia: Tradução do site : http://www.aeclectic.net/tarot/ 


quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A Sacerdotisa, A Papisa

A Sacerdotisa - Rider-Waite Tarot

Símbolos: as cores azul, branco e preto, romãs, coroa da lua de Isis, véu, cruz solar, lua crescente. Lótus preto e branco, pilares (B representa Boaz, significando negação, J representa Jachin, significando começo). Pergaminho com a palavra Tora (podendo ser o Torah Judeu ou um anagrama da palavra Tarot, com a ultima letra escondida).

História: seguindo sua jornada, o Louco encontra uma bela e misteriosa dama coberta com um véu, sentada em um trono entre dois pilares. Ela é o oposto do Mago: quieta enquanto ele é eloqüente, imóvel enquanto ele está em movimento, sentada enquanto ele está em pé, envolvida pela noite enquanto ele se expõe ao brilho do dia. Ela é a Papisa e surpreende o Louco, sabendo tudo sobre ele. Mais, ela sabe quais ferramentas ele carrega em sua trouxa. Ela informa o Louco que sabe como utilizar as ferramentas que ele carrega. Ela pode ensiná-lo, se ele assim desejar. Respeitosamente ele pede a ela que transmita seu conhecimento, o que ela faz em forma de pergaminhos antigos e sussurros suaves. Agora com conhecimento suficiente para tomar decisões iniciais sobre o que quer, onde quer ir e o que irá fazer, o Louco empurra as cortinas e caminha por entre os dois pilares em direção ao seu futuro.

Significado: a Papisa é a carta do conhecimento, do instinto, do sobrenatural, do conhecimento secreto.Ela possui pergaminhos com informações sobre os arcanos, que ela deve ou não revelar a você. A coroa da lua em sua cabeça e a lua crescente a seus pés indicam sua vontade de iluminar o que você não consegue ver, revelar os segredos que você precisa saber para tomar a decisão sobre algum problema ou trabalho, investimento, amor, carreira, família, etc. E, finalmente, atrás dela está a cortina para o futuro. As romãs que decoram a cortina nos lembram de Perséfone, que foi levada à terra dos mortos, comeu seu fruto e tornou-se a única deusa com permissão para viajar e voltar daquela terra estranha.Isso indica que quando você chegar à Papisa você irá aprender algumas coisas muito estranhas. Muito estranhas mesmo.

Observações: se alguma carta representa o tarólogo, essa carta é a Papisa. Uma mulher (ou homem!) de poderes psíquicos, intuição e conhecimentos secretos. Ela pode representar o consulente, que pode estar descobrindo (ou irá descobrir) poderes psíquicos, um grande segredo ou pode estar estudando textos religiosos.
Se ela representa outra pessoa, pode ser uma mulher religiosa, uma freira ou astróloga, uma professora de conhecimentos antigos, ou então uma parenta afastada que sabe muitos segredos de família. Com significado negativo, pode ser uma mulher com tendência a cometer atos passivos de agressividade, ou alguém com uma personalidade fria, imprevisível, volátil, até mesmo assustadora. (Estamos todos pensando isso, então eu vou dizer: uma mulher na TPM).
O que eu acho mais importante lembrar sobre a Papisa é que ela é aquela que pode guia-lo através da parte mais negra da sua vida, ou de você mesmo, até o outro lado.Ela senta entre os pilares da luz e da escuridão, da existência e da negação, crescente e minguante, pois ela, sozinha, sabe o caminho. Ela visitou a terra dos mortos e retornou; ela é todo o conhecimento secreto.

Bibliografia : Imagem : http://www.albideuter.de/html/waite.html 

 Tradução do site http://www.aeclectic.net/taro/

Uma mulher no trono de São Pedro


Cena do filme, Papisa Joana


A Papisa Joana é uma heroína, produto do imaginário medieval

Em torno de 850, uma mulher traveste-se, a fim de seguir o seu amante, que era dedicado aos estudos e prometido  exclusivamente ao mundo masculino e ela própria alcança ótimos resultados neste meio, o que lhe permite transitar  e entrar na hierarquia da Igreja e, por fim, ser eleita papa. Seu pontificado dura dois anos e é interrompido por um escândalo : Joana, que não renunciou aos prazeres carnais, fica grávida e morre , durante uma procissão entre as basílicas de São Pedro do Vaticano e a de São João do Latrão, após dar à luz a uma criança publicamente.

Essa papisa não existiu, é uma heroína imaginária.

Em 1250 e 1550, ela encarnou o medo da mulher difundido pela igreja e incutiu o medo de uma intrusão feminina no meio da própria igreja. Essa personagem é mais uma rejeição do sexo masculino, que afasta a mulher das responsabilidades institucionais e funções sacramentais.

Tiago de Vorangine, autor da Legenda áurea, comenta sobre o horror da poluição feminina do sagrado pela mulher, a respeito da papisa: " Esta mulher, empreende com presunção, persiste com falsidade e termina vergonhosamente. Tal é fato a natureza da mulher, que diante de uma ação a realizar, tem presunção e audácia no início, burrice no meio e passa vergonha no fim... E , assim, está demonstrado claramente que a mulher começou com a presunção, continua com a burrice e termina com ignomínia"

No entanto, a crença na história da papisa, evoluiu, adquirindo aspectos folclóricos  e as lendas a respeito dos papas na idade média.
A Papisa Joana resume a ideia da mulher, dividida ente o bem e o mal, o prestígio e o horror. Uma mistura de bruxa e papisa, que sai da Igreja para entrar na literatura e no imaginário medieval.

A iconografia da papisa desenvolve-se a partir de um duplo registro: a imagem histórica e escandalosa aparece nas miniaturas, nas gravuras e concentra-se na cena do parto. A imagem hierática e prestigiosa passa do carnaval  à alegoria e invade as cartas do tarô.

Visconti - Sforza Tarot
Tarô de Marselha - Nicolas Conver

Para quem deseja conhecer melhor a história da Papisa Joana:



Heróis e Maravilhas da Idade Média - Jacques Le Goff
http://www.albideuter.de/html/visconti-sforza.html




Arcanos Menores - Workshop

Arcanos Menores - Reciclagem e Revisão

Resumo: A relação dos quatro elementos com os quatro naipes. A corte e os personagens. revendo as regras de combinação para o método europeu. Como jogar o método americano e italiano? Quais as diferenças de linguagem? Dicas sobre atemporalidade dos arcanos em relação a pergunta e sua posição no método.

Aprenda, recicle, aplique sua experiência!

Professor : Nei Naiff

Data : 12 de outubro de 2011, quarta (feriado), das 10:30 horas às 17:30 horas
(curso intensivo para profissionais e estudantes - pré -requisito : conhecer os 78 arcanos) 
Local : Espaço Totalidade: Rua Engº Alcides Barbosa, 29
(transversal a Av. Rebouças e próximo da Av. Brasil)
Valor: 255,00 reais ou duas parcelas de 145,00
Inscrições e Informações com Vera Chrystina : (11) 3085-9994) ou no e-mail: veratarot@gmail.com

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Origem da ideia egípcia do Tarô

Antoine de Court Gebelin
Tudo começou com Gebelin

Entre 1775 e 1784, Gebelin declarou em suas obras ter descoberto as origens do Tarô através de uma simples visita de quinze minutos em uma cartomante. Disse que as cartas eram hieróglifos egípcios, escondidos dos bárbaros e disseminados pelos ciganos e que ele havia descoberto a chave para a tradução da escrita arcaica.
Traduziu a palavra Tarot como sendo a estrada real da vida.
Em 1820, quando Jean Champollion descobriu verdadeiramente a chave para a escrita egípcia e copta, revelou-se que tudo o que Gebelin havia traduzido estava errado. Não existe a palavra "tarot" na língua egípcia e nenhum símbolo que se conecte com as cartas, assim, os conceitos de Gebelin foram esquecidos pela ciência, mas foram acalentados pelos místicos.
Gebelin ficou rico e famoso com suas obras e a partir de então, o tarô se tornou uma febre parisiense



Jean Françoise Alliette
Conhecido como Etteilla, disse que o tarô foi criado em 2170 antes de Cristo por Hermes Trimegistro. Ele resolve restaurar o tarô e cria o Libro di Thot, o gioco di 78 tarocchi egiziane

Temperança, Estrela e o Mundo
Livro di Thot - Etteilla
Coleção do Instituto Graf - Bolonha


Em uma série de volumes publicados entre 1783 e 1785, Etteilla explicou que o Livro de Thot é mágico, mas acima de tudo, ele prevê o futuro. Para dar total atenção as suas idéias fundou a Sociedade dos intérpretes do Livro de Thot. Assim nasceu a Cartomancia, uma prática divinatória que ainda não mostra sinais de  declínio.

A moda egípcia progrediu com sucesso até 1856, quando Eliphas Lévi, publicou Dogma e Ritual de Alta Magia, acrescentando mais confusão.
Lévi alegou que as cartas do tarô, na verdade, seriam os símbolos da ciência sagrada dos judeus, após a destruição do Templo de Jerusalém e que estes símbolos, foram mantidos por sábios cabalistas judeus e de lá transmitidos para a cultura medieval.

As revelações de Levi influenciaram profundamente o ocultismo ocidental . Ele associou as letras hebraicas aos vinte e dois arcanos maiores do tarô e declara que  as cartas foram introduzidas por Moisés na cultura egípcia.
Levi diiz que as figuras do tarô devem ser modificadas para tornar-se um sistema de símbolos universais.
Com essas idéias, os esotéricos da época, aventuraram-se a projetar novos baralhos.
Oswald Wirth, por exemplo, ressalta o simbolismo maçônico e as letras hebraicas.

Papus

Gérard Encousse, publica entre 1865 e 1909, que o tarô foi criado por Hermes Trimegistro. Ele faz uma compilação das obras de Gébelin, Etteilla, Orsini, Levi, Paul Cristhian e lança o Tarô dos Boêmios em 1889, redesenhando os símbolos do tarô de Marselha com vestimentas egípcias

Falconier

O divisor das águas para o padrão de cartas egípcias, foi a publicação em 1896 do livro " Les lames XXII hermètiques du tarot divinatoire. As cartas ganharam definitivamente desenhos que imitavam a arte egípcia, tal como a conhecemos nos dias atuais.

O famoso Tarô Egípcio da Kier , foi criado em 1970 em Buenos Aires, pela editora Kier. Na história do tarô existiram poucos tarôs com iconografia egípcia. O primeiro ocorreu com Falconier ( 1896), depois com Papus (1910), Editora Kier (1970), Ansata (1981) e Íbis (1989).


Bibliografia: Tarô, Ocultismo e Modernidade - Nei Naiff - Ed. Elevação




O Claustro e a Sacerdotisa do Tarô Medieval

Claustro de Mossiac - França
Tarô Medieval - A Sacerdotisa

O claustro é  um lugar central no monastério, constituído por um jardim interior rodeado de galerias que se abrem em arcos para esse jardim. Em outra concepção, o claustro refere-se ao conjunto do monastério, enquanto grupo de edifícios fechados. O significado essencial nesses dois casos é a ideia de encerramento, enclausuramento, presente na etimologia latina da palavra claustro, claustrum, que vem de claudere, fechar.
O imaginário do claustro é a clausura , associada à do jardim fechado, e esse encerramento protege tanto as produções herbáceas e frutíferas dos monges quanto o espaço da espiritualidade ao qual a imagem da Virgem será ligada de modo privilegiado à partir dos séculos XI - XII. Quando a Virgem supera as peripécias de sua vida terrestre, ela encontra-se no céu, após a Ascensão, ou em um jardim fechado. A referência fundamental do claustro como um jardim fechado é o paraíso, e de fato o pensamento simbólico medieval muitas vezes evocou o claustro monástico como o paraíso. Essa imagem da Sacerdotisa do Tarô Medieval é uma das que eu mais gosto e acho fidedigna a esse arcano.
O claustro é a metáfora do coração e do homem interior que valoriza a paz interior frente a agitação do mundo.
O motivo do claustro é o enclausuramento e esta prática foi imposta principalmente às mulheres. As monjas foram submetidas a uma regra de enclausuramento muito rígidas à partir do século V. No século XVI, a reforma protestante termina com os monastérios, conventos e clausuras, a Contrarreforma Católica prolonga a clausura para as mulheres. O Concílio de Tentro decreta a excomunhão para qualquer infração do voto de clausura.
No final do século XIX e começo do século XX, o claustro tornar-se a imagem romântica de um paraíso monástico medieval.


Claustro de Mossiac - França

Heróis e Maravilhas da Idade Média - Jacques Le Goff
Imagens do tarô: http://www.albideuter.de/

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O Jogral, O Louco e o Mago

Golden Tarot of Renaissance / Estensi Tarot (Este) -  Il Bagattelliere

O Jogral é um animador. Seu nome vem do latim jocus,
"jogo".


O Jogral foi considerado como o sucessor dos mímicos da Antiguidade. Ele absorve uma parte da herança dos animadores pagãos  celtas. O Jogral é um animador itinerante que vai fazer seus malabarismos nos lugares onde eles são admirados e bem pagos, tais como os castelos medievais. Ele é um animador que faz de tudo um pouco. Recita versos, conta histórias. Ele é o malabarista da boca e não o autor dos textos. Ele é apenas um executante.
Ele é um malabarista de gestos, um acrobata, um saltimbanco, tudo depende de sua atividade e do sentido que ele lhe dá.

Ele ilustra, em sua figura ambígua, a dupla natureza do homem, que foi concebido por Deus, mas pecou. É por este motivo que suas atitudes podem pender para o bem ou para o mau. Ele pode ser o bobo da corte de Deus ou o do Diabo.

É interessante notar, que o Jogral na Idade Média, fazendo uma analogia com o Mago do tarô, é uma mistura do Mago e do  Louco (arcano 1 e arcano sem número).

Thomas de Chobham, em 1215 distinguiu os bons e os mau jograis. Segundo ele, o jogral mau, é aquele que não coloca o corpo a serviço da alma. Ele não recua diante do burlesco, é excessivo nas palavras e nos gestos. Faz espetáculos vergonhosos e faz aparecerem fantasmas. Já o bom jogral, é aquele que não é ilícito e diverte os doentes.

Para São Bernardo, século XII, os jograis forneciam aos homens, um exemplo de humildade. Dizia : " os homens quando são humildes, parecem-se com os malabaristas e acrobatas que de cabeça para baixo, fazem o contrário dos homens, andando sobre as mãos e atraindo assim os olhares de todos.

No século XIII, São Francisco de Assis, recuperou a imagem dos jograis. Ele declarava-se um bobo da corte, mas especifica que é um malabarista da boca.

Posteriormente, a imagem do jogral muda para a de menestrel, devido a liberação da música e da difusão de novos instrumentos. No século XVI surge o circo e mais uma vez a imagem do jogral é modificada. Ele é apenas uma artista especializado dentre os artistas circenses. Ele representa as brincadeiras e a destreza frente aos perigos.





Significado: sendo o número 1, o Mago é o poder masculino da criação, através da força de vontade e do desejo. Em um significado arcaico, é a habilidade de fazer coisas apenas falando-as em voz alta (“E Deus disse ‘que haja luz!’, e a luz apareceu”). O fato de o Mago ser representado por Mercúrio é reflexo disso. Ele representa o dom das línguas, um interlocutor envolvente, um vendedor. Pode ser também um ladrão (Mercúrio era o deus dos ladrões) ou um curandeiro – podendo ser um médico de verdade ou alguém tentando vender-lhe óleo de cobra. Os quatro naipes colocados à sua frente lembram-nos dos quatro ases, que no Tarot simbolizam o poder cru, não desenvolvido e não direcionado de cada naipe. Quando o Mago aparece, ele diz que você tem tudo o que precisa para conseguir o que quer: vida amorosa, dinheiro, carreira, soluções, qualquer coisa.


Observações: se há uma carta que representa o Tarot essa carta é o Mago. É uma das cartas mais singulares do Tarot, e é sempre bem-vinda. É também o único dos Arcanos Maiores que se refere aos Arcanos Menores, com os naipes expostos sobre a mesa. Enquanto o Louco é sempre interpretado como se fosse o consulente, o Mago pode ser tanto o consulente quanto outra pessoa, um médico, um professor, um vendedor ou um vigarista. É importante lembrar que o Mago pode ser tanto malicioso quanto hábil, tanto charlatão quanto bruxo. Se interpretar como alguém na vida do consulente, interprete-o como uma personalidade atraente, alguém que pode convencer as pessoas sobre quase tudo. Para o bem ou para o mal, suas palavras são mágicas. O que é mais importante lembrar, eu acho, é que sendo interpretado como uma pessoa, o consulente ou como algum significado, no final das contas o Mago simplesmente cria ou revela as ferramentas. Fica a cargo do consulente explorar a utilidade das ferramentas ou ser guiado por elas.



Bibliografia : Jacques Le Goff - Heróis e Maravilhas da Idade Média
Tradução do site Aecletic Tarot  - http://www.aeclectic.net/tarot/
Imagens - http://www.albideuter.de/




quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Atendimentos e Curso de Tarô


Mystic Fair


Minhas palestras serão no domingo, dia 9 de outubro, uma, às  18:00 horas : Tarô e Neurociência - Um diálogo ( sala temática sobre o Tarô) e a outra, às 20:00 horas, sobre os Arcanos Menores do Tarô no auditório 5. Participem!

Maiores informações no site:
http://www.mysticfair.com.br/


 

2º Fórum Nacional de Tarô - Rio de Janeiro



2º Fórum Nacional de Tarô e Simbologia

2º Fórum Nacional de Tarô e Simbologia
Universidade Candido Mendes - Rio de Janeiro/RJ
27 de agosto de 2011 (sábado) das 10hs às 19hs


Tema: Qual o futuro do tarô no Brasil?

Fórum de tarô

Com o objetivo de compartilhar experiências sobre a atividade do tarólogo, o fórum deseja reunir aqueles que anseiam conhecer melhor os caminhos do tarô em nosso país. O evento contará com renomados profissionais expondo as diversas formas de estudo (cabala, mitologia, simbologia) e de consulta (previsão, orientação, autoconhecimento). Também será abordado durante o evento o atendimento virtual e os cursos online, bem como as normas criadas pelo Ministério do Trabalho no reconhecimento da classe (CBO 5168-05).
ENSINO:

Confira a programaçao em: www.neinaiff.com/forum



Tema

1)ENSINO Mediador: Gian Schmid (Petrópolis/RJ)

Por que tanta pluralidade na instrução do tarô: cabala, numerologia, mitologia e simbologia? Tanto conhecimento ajuda ou atrapalha o profissional ou o estudante?

Anna Maria Costa Ribeiro
(Rio de Janeiro/RJ)

Giselle Moniz
(Rio de Janeiro/RJ)

Prem Mangla
(Rio de Janeiro/RJ)

Yedda Paranhos
(Rio de Janeiro/RJ)

Tema

2)CONSULTA - Mediadora: Vera Crystina (São Paulo/SP)

Podemos classificar uma consulta de tarô como adivinhação ou autoconhecimento?
É possível o cliente mudar o destino com qualquer informação do tarô?

Johann Heyss
(Rio de Janeiro/RJ)

Pedro Camargo
(Rio de Janeiro/RJ)

Raquel de Carvalho
(Rio de Janeiro/RJ)

Tova Sender
(Rio de Janeiro/RJ)



Tema

3)PROFISSÃO - Mediador: Alexsander Lepletier (Rio de Janeiro/RJ)

O que um tarólogo pensa ou sente durante uma consulta? Quais seus receios e objetivos durante a revelação oracular? O que ele deseja do futuro profissional?

Adriana Kastrup
(Rio de Janeiro/RJ)

Eloisa Gebara
(Rio de Janeiro/RJ)

Glória Britho
(Rio de Janeiro/RJ)

Graça Colombin
(Niterói/RJ)

***

Nei Naiff (Rio de Janeiro/RJ)

Minipalestras:

Qual o futuro do tarô no Brasil?
(abertura / mesa 1)
Blog, Orkut e FacebooK: o caos no ensino do tarô.
(abertura/mesa 2)
Tarólogos: direitos e deveres na CBO 5168-05.
(abertura/mesa 3)












O 2º Fórum Nacional de Tarô no Rio de Janeiro foi maravilhoso!



7ª Conferência de Wicca & Espiritualidade da Deusa - Ano 2011

Formada em 2005, a Conferência de Wicca & Espirutalidade da Deusa foi criada como um evento que convida Wiccanianos, Bruxos, Pagãos e todas as religiões que celebram o Sagrado Feminino para compartilhar, aprender e melhor compreender os diversos aspectos destas práticas espirituais na sociedade e cultura contemporânea. 


Seu idealizador é Claudiney Prieto, personalidade de renome da Wicca no Brasil e autor de inúmeros livros sobre Paganismo, entre eles o best seller "Wicca- a Religião da Deusa". Hoje, a CWED é o maior evento da América Latina que engloba a Wicca e a Espiritualidade da Deusa e conta com a participação de palestrantes internacionais e nacionais, além de praticantes da Wicca de todo o Brasil. O propósito da CWED é promover programas, workshops, palestras e vivências que transmitam informações diversas para que os praticantes da Wicca, Paganismo e Espiritualidade da Deusa aprofundem suas práticas e conhecimentos teóricos em suas muitas manifestações. A Conferência de Wicca & Espiritualidade da Deusa celebra o Sagrado Feminino em todas as suas formas e está possibilitando para muitos acesso a novos paradigmas, através das visões e insights compartilhados por seus conferencistas e palestrantes. 

O tema da minha palestra foi : Tarô - Origem, estrutura e simbolismo
Conferencista: Vera Chrystina

O Tarot é um oráculo que incorpora de forma simbólica valores que caracterizam a história das diversas civilizações, tais como: poder, esperança, autoridade, perseverança, etc.
Prática divinatória das mais difundidas e pesquisadas em todo o mundo, o tarot enquanto oráculo definido pelos valores acima descritos, é e foi motivo de adaptações e releituras que desde o século passado intriga e fascina a leigos e iniciados.
Nesta palestra iremos conhecer um pouco da história do tarô e o simbolismo dos Arcanos Maiores.

 Tópicos Abordados:
·         História do Tarô
·         As três correntes do tarô
·         Simbologia dos Arcanos Maiores
·         Metodologia e planos dos Arcanos

O evento foi maravilhoso! Agradeço de coração ao amigo Claudiney Pietro!


Eu e o Leo Dias

Pietra Di Chiaro Luna , eu e Claudiney Pietro

Leo Dias e eu depois da palestra

Tarô - O mapa da vida