sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Estrela

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto.
E conversamos toda a noite, enquanto
A Via Láctea como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.”

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas?
Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.”
Soneto XIII da Via Láctea
Olavo Bilac, Poesias, 1985: 52.

2 comentários:

Milene Souto disse...

Adoro Tarô e amei o seu blog! É um prato cheio para quem estuda tarô. Voltarei sempre aqui, beijos.

http://melodiaemversos.blogspot.com

Vera Chrystina disse...

Oi Milene,

Muito obrigada pelo carinho!

Um beijo!