quarta-feira, 17 de junho de 2009

O que existe no sótão?





Olho de peixe

Composição: Lenine
Ilustração : A Sacerdotisa - Tarô Alquímico

Permanentemente, preso ao presente
O homem na redoma de vidro
São raros instantes
De alívio e deleite
Ele descobre o véu
Que esconde o desconhecido,
O desconhecido
E é como uma tomada à distância
Uma grande angular
É como se nunca estivesse existido dúvida,
Existido dúvida
Evidentemente a mente é como um baú
E homem decide o que nele guardar
Mas a razão prevalece,
Impõe seus limites
E ele se permite esquecer de lembrar,
Esquecer de lembrar
É como se passasse a vida inteira
Eternizando a miragem
É como o capuz negro
Que cega o falcão selvagem,
O falcão selvagem

Se na cabeça do homem tem um porão
Onde moram o instinto e a repressão
(diz aí)
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?

Se na cabeça do homem tem um porão
Onde moram o instinto e a repressão
(diz aí)
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?

O que tem no sótão?
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?

Uma das características da Sacerdotisa no plano mental é não revelar aquilo que pensa. Essa música de Lenine cai como uma luva para a introspecção da alma da nossa Sacerdotisa.

2 comentários:

Kátia Bueno disse...

Puxa, a letra caiu mesmo como uma luva para a Sacerdotisa!
É tão mais fácil assimilar os arcanos através da arte e da música!
Abraços.

Vera Chrystina disse...

Oi Kátia,

Verdade! A música de Lenine cai como uma luva para a nossa Sacerdotisa.
Obrigada pelo seu carinho!
Vou fazer mais pontes entre letras de músicas e os Arcanos do Tarô.

Um beijão!