sábado, 27 de dezembro de 2008

Seis de Copas




A infância que já não existe presentemente, existe no passado que já não é.
Santo Agostinho

A felicidade só cria recordações.
Honoré de Balzac

Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem, os amigos devem ser amigos para sempre, mesmo que não tenham nada em comum, somente compartilhar as mesmas recordações.
Vinícius de Moraes


A lembrança da infância é o único sonho real que nos resta na fase madura da vida, os demais são meras utopias.
IGdeOL


O Seis de Copas remete a saudades, a recordações agradáveis.Quando ele aparece num jogo a primeira frase que me vem a cabeça é " Eu era feliz e não sabia!"
Saudades dos bons tempos, de quando não pagava aluguel, saudades da minha mãe, da poça d'água depois da chuva e dos girinos que eu admirava na lagoa. Saudades da chuva na praia, dos encontros com cobras (várias vezes fiquei frente à frente com elas), da montanha que ficava ao lado da casa da minha avó, da minha avó, do meu avô, do bolinho de chuva nas tardes cheias de energia, aquela energia intensa da vida. Eu era intensa e tudo era tão profundo...Saudades dessa intensidade, do ar carregado de potencialidades e descobertas e eu, eu me sentia magicamente hipnotizada pela vida...

4 comentários:

IGDEOL disse...

CHRYSTINA,
SURPRESA AGRADAVEL AO ENCONTRAR UM PESAMENTO DE MINHA LAVRA NESTA EXCELENTE PÁGINA. OBRIGADO PELO REGISTRO. VOTOS DE SUCESSO E FELICIDADE. FRATERNAL ABRAÇO.IGDEOL (Ivo Gomes de Oliveira) EMAIL: igdeol@terra.com.br

Vera Chrystina disse...

A lembrança da infância é o único sonho real que nos resta na fase madura da vida, os demais são meras utopias.
IGdeOL

Olá Igdeol,
Parabéns! Achei este pensamento maravilhoso e verdadeiro!
Prazer em te conhecer e obrigada por nos brindar com seu talento e poesia!

Um abraço fraterno!

Deise Cristiane disse...

Estava conheçendo teu blog, e me deparei com a postagem do seis de copas, de todos o único que abri para ler por hora, pois realmente essa carta me leva ao passado, quando minha vó, na minha infancia, me dava aula de tarot, nos dias de chuva, na varanda olhando as ondas bater nas dunas. Sempre que ela sai, diz que deve-se romper com o passado para se perceber a felicidade agora, mas consciente que o tudo que se viver nos trouce alicerce, aprendizado para usufruir o novo. Amei tua postagem. Abraço

Vera Chrystina disse...

Oi Deise,

E eu gostei imensamente de seu carinho!
Como você, eu tenho ótimas lembranças dos meus avós e da minha infância. Fui muito feliz!
A minha avó Alzira, por parte de pai,lia as cartas também. Pena que tenha falecido jovem. Não tive a sua sorte, de ter uma avó como mestra do Tarô.

Um beijo e tudo de bom!