Dois de Espadas


Por vezes, não é que não haja solução; o problema é que não está identificado. No baralho Rider-Waite, uma mulher com uma venda nos olhos segura duas espadas cruzadas à frente do peito, por trás tem o mar, rochas pontiagudas a sobressair, a Lua Nova misteriosamente no horizonte. Quando uma carta de Espadas surge, a energia negativa parece ser o ponto central. Primeiro olhem para o número da carta – dois representa dualidade, dois assuntos, dois em algo. Parem um momento para olhar realmente para a imagem à vossa frente, sintam a carta antes de criarem uma história. Sim, cada leitura é uma história. A venda chama-me a atenção. Porquê uma venda? É preciso força para manter as espadas direitas, com as mãos cruzadas em frente ao peito. Lembrem-se que espadas não são objectos leves. O que é que acham? Problemas, situações de stress e parecidas ultrapassam-nos. Daí a venda – não ser capaz de ver o problema, de ver o caminho, de ver a solução para a situação corrente e a nossa perspectiva está neste momento nublada. Esta carta está a tentar dizer para tirarem a venda, vejam o problema de todos os ângulos, usem a vossa capacidade intelectual para encontrar a resposta. Ou são bons a erguer fachadas falsas? A quem estão a tentar enganar? Se uma decisão tem de ser tomada, se significa uma troca, desistir de algo, após uma análise cuidadosa e meticulosa, então façam o que têm a fazer. Por vezes a única solução tem de ser drástica, desastrosa na altura, mas em última análise pode ter sido a melhor coisa a fazer.
As rochas ao fundo são significativas. As rochas podem significar problemas; as rochas podem também indicar rigidez. As rochas são estruturas sólidas, e como tal, são rígidas. Talvez um pouco de flexibilidade possa ajudar, e para isso é necessária vontade e coragem. Olhem para a Lua – misteriosa e perturbadora. Que sombras se escondem na escuridão? Olhem para os recantos profundos do espírito, ouçam a vossa intuição, procurem a orientação através do vosso Ser Interior. Decisões, escolhas. Não é disto que a Vida é feita? Uma porta fecha-se, outra abre-se, foi a decisão certa? Lembrem-se da Senhora e do Tigre. Por vezes trabalhamos muito para chegar “lá”, mas quando chegamos “lá”, não é aquilo que esperávamos. Onde está a Força? O elemento Ar é misterioso, mas essencial. Todos precisamos de uma lufada de ar fresco de vez em quando, talvez os problemas que aparecem sejam uma ferramenta necessária para deixar “entrar” um perspectiva nova, um ponto de vista novo, um ângulo diferente, uma aproximação “fresca” à vida. Às vezes o dia começa com o pé errado, um dia mau! Esta é a mulher na carta, a segurar as espadas cruzadas frente ao peito, firmemente. Isto para mim significa a capacidade para enfrentar a vida contra todas as probabilidades. Mostra a coragem que temos cá dentro para equilibrar a nossa vida privada com a nossa face mais pública, de trabalho. Há um momento quando sentimos que o fio que usamos para manter tudo junto está prestes a partir, e tudo o que ele une está prestes a partir e cair em todas as direcções.
No nosso mundo ocupado, as nossas prioridades ficam baralhadas. Parem um minuto e dêem uma olhada mais de perto ao que é importante para vocês – ir naquela viagem de negócios e perder uma importante celebração em família, trabalhar horas extraordinárias para comprar outro brinquedo ou gastar tempo sozinhos, para reflectir, contemplar, meditar. A lista continua. Perguntem a vocês o que podem mudar antes de se sentirem “esgotados” antes do tempo. O Dois de Espadas oferece-vos essa visão, que a venda pode sair, reconheçam a realidade, para o bom e para o mau. Vocês têm a coragem, a capacidade para tomar decisões e fazer escolhas melhores. Nem sempre vão estar certos, mas a vida é assim. Aprendemos e crescemos com os nossos erros, se percebermos que temos a força e coragem para o fazer. Um ótimo texto de Bonnie Moss

Comentários

Postagens mais visitadas